Sua Pele

Arquivo : fevereiro 2015

O que provoca a calvície feminina?
Comentários 5

Dr. Marcelo Bellini

Nos consultórios de dermatologia são muito frequentes os casos de calvície feminina. Essa fato é cada vez mais comum visto que as mulheres da atualidade são mais intensamente expostas a estresse, depressão, ansiedade e carências nutricionais.

Esse problema também ocorre em quem tem disfunção hormonal (ovários policísticos e menopausa), alterações na tireoide, anemia e infecções. Mas é muito importante ressaltar que causas cosméticas crescem vertiginosamente: químicas, alisamentos, tingimentos e o uso abusivo do secador e da chapinha.

Foto Reprodução

Foto Reprodução

Alguns alisamentos podem causar problemas por um longo tempo, por isso, antes de fazer é importante checar se são aprovados pelo Ministério da Saúde. Não se esqueça: as altas temperaturas fragilizam e retiram toda película de hidratação dos fios, fatores que colaboram para a queda.

Quem faz dietas e restrições alimentares também precisa de muita cautela e procurar o médico especialista. Baixo consumo de proteínas, ferro, sais minerais, vitaminas do complexo B podem ser responsáveis pelo enfraquecimento e queda dos fios.

Cabelos saudáveis apenas na aparência não resolvem em nada, o correto mesmo é cuidar da saúde dos fios de dento para fora.

Marcelo Bellini (CRM 76.313 – SP) 


Detox pós-folia
Comentários Comente

Dr. Marcelo Bellini

Nos dias de carnaval muita gente esquece os cuidados saudáveis e cede espaço para má alimentação, poucas horas de sono e bebida alcoólica em excesso. Depois da festança é preciso fazer aquela limpeza no organismo e restabelecer a parte física. Pensando nisso, reunimos tudo que é essencial para desintoxicar.

Restabeleça o organismo:

– Prefira refeições leves e não exagere nos carboidratos.

– Evite álcool, frituras, alimentos gordurosos e doces.

– Durma 8 horas por noite.

– Coma frutas e hortaliças, especialmente aquelas que possuem capacidade diurética, como: abacaxi, mamão, melancia, morango, melão, salsão, pepino e chuchu.

Pixabay

Pixabay

Revigore o corpo:

– Para combater aquela aparência cansada é ideal fazer compressa com soro fisiológico gelado durante 5 minutos no rosto. O soro ajuda a recompor a pele após dias de muita agitação.

– Borrife água termal no rosto.

– As pernas merecem atenção especial, afinal, pularam durante quatro dias. Após o banho, dar uma ducha de água gelada ativa a circulação e alivia o inchaço.

– Fazer uma massagem com hidratante nas pernas complementa a ação iniciada pela ducha gelada. Realizar esse movimento como se estivesse “bombeando” as pernas (deslizando e pressionando).

– O escalda pés é o “toque final” da massagem relaxante. É um cuidado antigo, mas que dá resultados. Deixar o pé na bacia de água quente por 20 a 30 minutos (fazendo pequenas massagens).

Agora que a folia acabou… o ano enfim começa!

Dr. Marcelo Bellini (CRM 76.313 – SP) 


Carnaval de bem com a pele
Comentários Comente

Dr. Marcelo Bellini

Chegou o Carnaval, época de diversão! Mas, muitas vezes a festa vem acompanhada de alguns descuidos. Dicas de ouro para cair na folia sem peso na consciência.

A combinação suor e calor podem resultar em irritações na pele e micoses, por isso use roupas leves, de algodão ou dry fit. 

O suor é intenso, por isso hidrate muito: água, suco, chá gelado e água de coco.

Cuidado com as bebidas alcoólicas, que sequestram água do organismo.

Pixabay

Pixabay

 

Os lábios ressecam muito durante a folia. Utilizar protetor labial com FPS.

Escolha o repelente adequado (já existe filtro solar com repelente).

Aplique filtro solar 30 minutos antes da exposição ao sol. Atenção ao horário entre 11 e 15 horas, esse é o pico da radiação.

Use sempre chapéu, boné e óculos. Utilize leave-in com filtro solar.

Prefira temperatura mais fria no chuveiro e banhos mais rápidos. Poupe a pele e também economize água!

Use hidratantes potentes e óleos de banho.

Nada de dormir com maquiagem! Sempre limpe o rosto com demaquilantes adequados ao seu tipo de pele. Não esqueça do tônico e em seguida o hidratante.

E bom carnaval!

Dr. Marcelo Bellini (CRM 76.313 – SP) 


Toxina botulínica ou preenchimento com ácido hialurônico?
Comentários 3

Dr. Marcelo Bellini

Na semana passada participei de uma matéria do UOL sobre Toxina Botulínica e Ácido Hialurônico. A reportagem é assinada pela experiente jornalista Isabela Leal.

Não param de surgir novidades em tratamentos dermatológicos para combater o envelhecimento. Aparelhos de última geração, peelings hi-tech, substâncias milagrosas. Porém, em meio a tanta tecnologia, dois tratamentos, aplicados com uma simples seringa, continuam entre os queridinhos de médicos e pacientes. São eles: a toxina botulínica –popularmente chamada de Botox– e o preenchimento com Ácido Hialurônico (AH).

Ambos são conhecidos por sua eficácia em amenizar rugas, prevenir sinais profundos, repor o volume perdido com o tempo, combater flacidez e aumentar os lábios, principalmente. Para esclarecer as principais diferenças entre os dois procedimentos, o UOL Beleza conversou com dois especialistas nessas técnicas de rejuvenescimento: os dermatologistas Marcelo Bellini e Mônica Aribi, ambos de São Paulo, e membros da Sociedade Brasileira e Academia Americana de Dermatologia.

Corcodilos

Corcodilos

Diferença básica
Por serem injetáveis, a confusão mais frequente é achar que o mecanismo de ação da toxina botulínica e do preenchimento é o mesmo, mas não é. A toxina age paralisando o músculo. Ao evitar essa movimentação, ela impede a contração muscular, que é o que forma a ruga. E para as rugas que já existem, esse relaxamento da musculatura suaviza os vincos. Já a aplicação de AH repõe o volume perdido de determinadas áreas da face e melhora visivelmente o contorno do rosto, atuando, por consequência, na redução da flacidez.

Na prática, é assim que funciona: a toxina botulínica traz naturalidade e um ar descansado ao rosto, amenizando rugas existentes e prevenindo futuras marcas. Já o preenchimento com AH age dando volume à pele.

Em qual área aplicar cada? 
A toxina trata rugas entre as sobrancelhas (glabela); linhas ao redor dos olhos (pés de galinha) e da boca; rugas da testa e do queixo; vincos verticais do pescoço e linhas que se formam no colo. Todas as rugas dinâmicas –aquelas que aparecem quando estamos franzindo a testa ou sorrindo– podem ser tratadas com toxina botulínica. Além disso, o Botox tem o poder de levantar a região das sobrancelhas e de diminuir a sobra de pele da pálpebra superior, efeitos que rejuvenescem o olhar. Tudo deve ser feito com muita naturalidade, claro.

Já o ácido hialurônico pode ser aplicado no dorso do nariz para eliminar marquinhas; nas maçãs do rosto, aumentando o tônus e o volume da região; nas rugas em volta da boca e nos cantos da boca; na região da mandíbula e das têmporas; nos lábios, repondo volume e amenizando o aspecto de boca muito fina; e nas áreas de sombra do rosto –abaixo do nariz, nas olheiras, na base da sobrancelha e na área entre a narina e o canto da boca.

Segredo do bom resultado 
Como em todo tratamento estético, o segredo do sucesso é o bom senso estético do médico e a cautela na quantidade de produto. Entre os maiores riscos da toxina botulínica, estão o exagero na dosagem e a aplicação em regiões erradas, que pode resultar em pálpebra caída; efeito “máscara”, de congelamento das feições, e em assimetria, isto é, um lado ficar diferente do outro.

Como o ácido hialurônico pode ser aplicado em três densidades –alta, média e baixa–, além de uma análise rigorosa das regiões necessitadas de preenchimento, fazer a escolha certa do tipo de produto é crucial. Por exemplo: um vinco nasogeniano [área entre nariz e boca] muito pronunciado é preenchido com AH de média densidade, mas para a sustentação das bochechas se deve utilizar AH de alta densidade. Outro cuidado importante para manter a naturalidade é aplicar em menores quantidades e em mais sessões, para que o efeito seja gradativo, evitando, assim, o risco de um resultado exagerado.

Prevenção de novos sinais
Neste ponto, os dois procedimentos são bem parecidos. A toxina botulínica tem alto poder preventivo, já que a paralisação muscular que ela provoca impede a contração da região, evitando assim a formação de novas rugas. Já o ácido hialurônico de baixa densidade tem alto poder de hidratar a cútis e estimular o colágeno – dois mecanismos potentes para prevenir sinais da idade.

Matéria publicada em 29 de janeiro, no UOL Mulher.

Dr. Marcelo Bellini (CRM 76.313 – SP) 


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>